Welcome to F.I.E.L.D.- the First Ismaili Electronic Library and Database. Guests are not required to login during this beta-testing phase

Aga Khan admite investir em Portugal nos próximos cinco anos 2015-06-02

Date: 
Tuesday, 2015, June 2
Location: 
Source: 
publico.pt
Hazar Imam signs Agreement to establish Global seat of Imamat in Portugal  2015-06-03
Author: 
Nuno Ribeiro

O príncipe Aga Khan admite investir na saúde e em serviços de protecção social em Portugal. O PÚBLICO sabe que no discurso que o líder da comunidade Ismaili profere ao princípio da tarde desta quarta-feira no Ministério dos Negócios Estrangeiros, após a assinatura do acordo que estabelece a sede global da sua comunidade em Portugal, essa questão será referida.

Aga Khan estabelece um prazo de cinco anos para serem identificados projectos a serem financiados em Portugal, concretamente nas áreas da saúde e protecção social, seguindo, aliás, o trabalho desenvolvido pela Fundação Aga Khan já estabelecida no nosso país. Chegou-se à assinatura do acordo, após um ano de contactos e um trabalho diplomático desenvolvido nos últimos seis meses. Foi uma tarefa trabalhosa. O Canadá, mais concretamente a cidade de Ontário, onde actualmente está sediado o AKFED Fundo Aga Khan para o Desenvolvimento Económico (na sigla inglesa AKFED) e um parque industrial foi um duro competidor de Portugal.

Para além da instalação no nosso país da sede global, agora a funcionar com 200 funcionários em Chantilly, nos arredores de Paris, a residência oficial de Aga Khan ficará também em Portugal. A localização das duas instalações não estará decidida ou, pelo menos, ainda não foi comunicada às autoridades portuguesas.

“A comunidade Ismaili Imamat é um exemplo de tolerância e tem uma rede importante de contactos”, referiu, ao PÚBLICO, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete. “É uma aposta numa entidade religiosa que se caracteriza pela sua tolerância”, enfatiza o chefe da diplomacia portuguesa. Os muçulmanos Shia Imami Ismailis, geralmente conhecidos por Ismailis, e calculados em 15 milhões, pertencem ao ramo Shia do Islão. Durante a sua história, esta comunidade foi incluindo populações de diferentes tradições culturais e está radicada principalmente na Ásia Central e do Sul, na África Austral, Médio Oriente, Europa e América do Norte, num total de 25 países.

As instituições da rede Aga Khan operam através do AKFED em vários domínios e países. Das empresas industriais no Afeganistão, Burkina Faso, Costa do Marfim, Mali, Paquistão, Quénia, República Democrática do Congo, Senegal, Tajisquistão, Tanzânia e Uganda aos serviços financeiros. Neste último caso, pelo controlo do Habib Bank Ltd, o maior banco privado paquistanês, do Development Credit Bank da Índia, e de entidades financeiras na República de Quirgiz, no Bangladesh e no Quénia. A rede também actua na promoção turística, detém a companhia aérea Air Burkina e meios de comunicação no Quénia, Uganda e Tanzânia.

Já a Fundação Aga Khan tem projectos em vários domínios, da educação ao desenvolvimento rural, da promoção de cidadania ao ambiente, da saúde aos programas de micro finança. Este último projecto, desenvolve-se ao nível da comunidade, destina-se a proporcionar o início de uma actividade económica, dirige-se às classes mais desfavorecidas e às micro e pequenas empresas, operando no Afeganistão, Paquistão e Tajiquistão. Por fim, tem uma rede de universidades, a maioria na área das Ciências de Saúde.

Uma diversidade de interesses de grande densidade económica e social. “É natural que sendo uma instituição com um orçamento anual entre os 600 e os 900 milhões de euros, traga algo para o país”, antevê o ministro Machete.

BING TRANSLATION BELOW
Prince Aga Khan admits investing in the health and social protection services in Portugal. The public knows that in the speech that the leader of the Ismaili community gives the principle of Wednesday afternoon at the Ministry of Foreign Affairs, after the signing of the agreement establishing the global headquarters of their community in Portugal, this matter will be referred to.

Aga Khan lays down a period of five years to be identified projects to be funded in Portugal, specifically in the areas of health and social protection, following the work of the Aga Khan Foundation already established in our country. It was the signing of the agreement, after a year of contacts and diplomatic work developed in the last six months. It was a laborious task. The Canada, more specifically the town of Ontario, where today is located the AKFED Aga Khan Fund for economic development (AKFED English initials) and an industrial park was a tough competitor of Portugal.

In addition to the installation in our country global headquarters, now working with 200 employees in Chantilly, on the outskirts of Paris, the official residence of Aga Khan will also be in Portugal. The location of the two facilities won't be decided or, at least, has not yet been communicated to the Portuguese authorities.

"The Ismaili Imamat community is an example of tolerance and has an extensive network of contacts," he said, to the public, the Minister of State for Foreign Affairs, Rui Machete. "It's a bet on a religious entity that is characterized by its tolerance," emphasizes the head of Portuguese diplomacy. The Shia Imami Ismailis Muslim, generally known as Ismailis, and calculated at 15 million, belong to the Shia branch of Islam. During its history, this community was including populations of different cultural traditions and is rooted mainly in Central and South Asia, Southern Africa, Middle East, Europe and North America and a total of 25 countries.

The Aga Khan network institutions operate through the AKFED in various fields and countries. Of industrial enterprises in Afghanistan, Burkina Faso, Ivory Coast, Mali, Pakistan, Kenya, Democratic Republic of Congo, Senegal, Tajisquistão, Tanzania, and Uganda to financial services. In the latter case, for control of the Habib Bank Ltd, the largest private bank of Pakistan, the Development Credit Bank of India, and of financial institutions in the Kyrgyz Republic, Bangladesh and Kenya. The network also acts on tourism promotion, holds the company Air Burkina and media in Kenya, Uganda and Tanzania.

The Aga Khan Foundation already has projects in various fields of education for rural development, the promotion of environmental citizenship, health micro-finance programmes. This latest project, developed at the community level, is intended to provide the beginning of an economic activity, is heading to the most disadvantaged classes and to micro and small enterprises, operating in Afghanistan, Pakistan and Tajikistan. Finally, have a network of universities, mostly in the area of Health Sciences.

A diversity of interests of large social and economic density. "It is natural that being an institution with an annual budget between 600 and 900 million euros, bring something to the country", visualises the Minister Machete.


Back to top